MARÇO AMARELO

Março Amarelo – mês de conscientização dos tratamentos da endometriose
Pouca gente sabe e pouco foi divulgado sobre isso, mas estamos no Março Amarelo, mês mundial de Conscientização da Endometriose. E precisamos orientar as mulheres para que busquem sempre um tratamento alternativo para essa doença que tem incomodado milhares de mulheres.
A vida acelerada nos dias atuais nos deixou em péssimas situações, a alimentação industrializada, o açúcar e farinhas refinadas como o glúten (cola), os refrigerantes, derivados de leite cheios de conservantes, carnes em excesso e grãos e semente enlatados e industrializados são verdadeiros venenos que levam ao estresse, má qualidade do sono, somados ao sedentarismo causam um estado inflamatório generalizado em nossos corpos, nossa células não conseguem sair do processo inflamatório causando inúmeras doenças crônicas e a endometriose é só mais uma delas.
Segundo órgãos de pesquisa, a doença afeta 176 milhões de mulheres, uma em cada dez. Além de ser responsável por fortes dores abdominais, a endometriose está no diagnóstico de 50% das mulheres que não conseguem ter filhos.
A prevalência da doença tem pico aos 25 e 35 anos de idade, mas pode ocorrer em meninas antes mesmo de ter a primeira menstruação ou em algumas mulheres na pós-menopausa, apesar de ser raro.
A endometriose é uma doença benigna, de estrogênio-dependente, associada às dores na região pélvica e pode causar infertilidade em mulheres na idade reprodutiva.
Não tem uma explicação única na literatura médica. Atribuem a endometriose ao fluxo menstrual retrógado, ao invés do sangue sair pelo útero e ser totalmente eliminado pelo organismo, parte dele saem pelas trompas uterinas e adere a outros órgãos, causando lesões e inflamações. Outros casos podem surgir como a deposição iatrogênica em procedimentos cirúrgicos.
Trata-se de uma doença que pode afetar vários órgãos como o peritônio pélvico, trompas, ovários, tecido subcutâneo, umbigo, trato urinário, bexiga, entre outros raramente encontrados.
Tem mulheres que sofrem com dores intensas e outras que não sentem nada. Os principais sintomas são:
• Cólica menstrual forte:
• Dor difusa na pelve: tipicamente crônica e descrita como latejante, surda ou em queimação.
• Cansaço e fadiga
• Sangramento menstrual irregular
• Dor pra evacuar durante a menstruação
• Infertilidade
• Dor durante a relação sexual

Formas de tratamento:
• Cirúrgico na maioria dos casos, e inúmeras vezes o que acaba mutilando a mulher e a impedindo de ter filhos. Ou então com o uso de tratamento hormonal impedindo o fluxo menstrual de acontecer.

• Natural – “claro que ele existe!!!!”, embora os médicos ainda não considerem como a melhor alternativa. Mas podemos sim melhorar todos os estados crônicos de doenças as mais variadas, inclusive a endometriose claro. Um tratamento natural começa por uma boa alimentação, banhos com produtos naturais, massagens, meditação (controle da mente sobre o corpo), e exercícios físicos.

E na Aromaterapia o tratamento começa com todos os itens acima acrescentando os óleos essenciais em cada situação como nas indicações a seguir. Mas também temos uma orientação especifica para cada mulher, dependendo do estágio da doença – MARCA CONSULTA.
ALIMENTAÇÃO – deve ser rica em alimentos crus, frutas, verduras, legumes temperados com óleos vegetais, somados a óleos essenciais, ervas e especiarias, mel com óleos essenciais, chás e sucos com óleos essenciais.
BANHOS – de banheira, ducha íntima, de assento, escalda-pés: em todas as formas pode se acrescentar os óleos essenciais conforme indicação terapêutica.
MASSAGENS – com óleos vegetais puros prensados a frio com óleos essenciais relaxantes (lavanda, bergamota, litsea cubeba, manjerona) para dor (hortelã pimenta, gengibre, wintergreen) ou estimulantes (alecrim, cravo, canela, gerânio, pimenta negra). Cada um com a indicação conforme atendimento terapêutico de um profissional qualificado na área de Aromaterapia.
MEDITAÇÃO – com difusor de ambientes com óleos essenciais de sândalo, olíbano, vetiver, rosa, e outros.
EXERCÍCIO FÍSICO – com colar difusor com óleos essenciais estimulantes como hortelã pimenta, alecrim, pimenta preta, patchouly, cedro, cipreste, e outros conforme indicação terapêutica.
Em casos de dúvida a respeito dos tratamentos de aromaterapia vem conversar comigo, essas indicações não impedem que faça seu tratamento médico conforme a Medicina Alopática atual.
Marilda Souza – Terapeuta formada em Aromaterapia, Terapias Integrativas e Massoterapia.

http://www.scielo.br/pdf/rcbc/v45n3/pt_1809-4546-rcbc-45-03-e1746.pdf

Leave a comment